Conheçam Meus Livros

domingo, 15 de setembro de 2013

Personagens Inesquecíveis do Cinema


Eles dispensam apresentação! Tornaram-se ícones, referência, tendência, e são lembrados mesmo depois de décadas. E provavelmente, a maioria é inimitável.

Aqui eu listei apenas 15 destes exemplos, não necessariamente em ordem.


Carlitos, o Vagabundo


Já falei dele aqui num tributo aos mestres da comédia pastelão, mas o talento desse mestre merece muitas menções. O personagem que imortalizou Charlie Chaplin, se não é o mais imitado do mundo, está na lista dos dez mais, com certeza, porque escreveu não leu, aparece alguém com o chapéu coco, o fraque velho e o bigode de brocha imitando seu andar que eu apelidei de “caí do cavalo e esfolei as pregas”.



Scarlett O’Hara
 
A personagem que rendeu o primeiro Oscar de melhor atriz à Vivien Leigh – na época ainda engatinhando em Hollywood –, é, mesmo depois de 74 anos, um ícone do cinema. Mesmo a galera mais jovem, se não viu o filme, já ouviu falar em Scarlett O’Hara, já leu sobre Scarlett O’Hara, e sem dúvida nenhuma já viu essa foto de Scarlett O’Hara e Rhett Butler em algum lugar! (Se não viu está vendo agora, portanto a afirmação é verdadeira. Risos)



Norman Bates
 
Sem dúvida a cena mais famosa da história do cinema foi protagonizada por ele: quando dominado por sua mãe, Norma Bates, avança com uma faca para matar Marion Crane (Janet Leigh) no chuveiro, ao som de uma das trilhas sonoras mais famosas e inconfundíveis da história.




Mary Poppins

Super Nanny é uma adestradora de cães perto dessa babá! Dona de uma bolsa sonho de consumo de todas as mulheres – exceto Hermione Granger que conhece o feitiço para ampliar o espaço interno da bolsinha de festa – e de um guarda-chuva voador sonho de consumo da maioria das bruxas – porque voar de vassoura na chuva deve ser bem desagradável – Mary Poppins é a personagem mais querida que a Disney já filmou.


Com seu jeito doce e divertido e a ajuda de seu amigo faz-tudo Bert (Dick Van Dyke), ela educa os filhos dos Banks neste delicioso musical. E ainda nos faz herdar o imenso vocábulo “Supercalifragilisticexpialidocious, impossível de esquecer. (No caso dos mais novinhos, impossível de ler. Se não conseguiu na segunda tentativa, desista! Vá para o personagem seguinte).



Holly Golightly

Vale ressaltar que na obra original, a Bonequinha de Luxo era uma garota de programa, mas como a época em que o filme foi rodado ainda era regida por um estreito moralismo, isso ficou subentendido na história. Este fato, na verdade, apenas somou aplausos ao filme, provando que não é necessário mostrar uma história com apelos eróticos para fazer sucesso. E ainda presenteou Audrey Hepburn com uma das personagens – para não dizer a – mais célebres de sua carreira. Ainda bem que foi filmado em época de censura moralista. Se fosse hoje, essa época de entretenimento escrachado e esculhambação total, tenho até medo de pensar que bicho ia sair dessa história. Menos é mais, sem sombra de dúvida.


Ganhou um remake em 2006, protagonizado por outra Audrey [Tautou]; mera sombra do original.


Don Vito Corleone
 
Não é por ser chefe da máfia. Não é por ser um elegante chefe de família. Não é por ser o Marlon Brando. E com certeza não é por ser o protagonista de uma das mais famosas franquias do cinema – mesmo porque a história principal gira mais em torno de seu filho Michael do que dele propriamente. Talvez sejam todas essas características juntas o que tornou o personagem mafioso tão célebre. Ou talvez seja realmente Marlon Brando com sua genialidade e talento acima da média.



James Bond
 

“My name is Bond. James Bond!”


É necessário explicar? Não, né. Sua fama fala por si.



Indiana Jones


Quem nunca desejou ser arqueólogo ao assistir às aventuras do personagem de Harrison Ford? Quem consegue esquecer a trilha sonora do filme? Sem mais...



ET
Confessa: você leu o nome esticando o indicador! Preciso dizer mais alguma coisa?



Darth Vader
 

A prova cabal de que ele definitivamente pertence a esta lista é que mesmo as gerações mais novas não precisam ler mais que o nome para ligar à pessoa. De longe o vilão mais famoso da história – do cinema e  afins.



Freddy Krueger
 

O vilão dos pesadelos de Nancy – e de muita gente real, vamos combinar – é um dos rostos (desfigurados) mais conhecidos do mundo. Jason é fichinha perto dele, embora ambos tenham feito grande sucesso em thrillers do mesmo estilo. Mas Freddy leva a melhor. No sétimo filme da franquia, O Novo Pesadelo – O Retorno de Freddy Krueger, vale ressaltar o contraste, digamos, chocante entre o rosto do ator Robert Englund com e sem a maquiagem do vilão.


Wolverine


Já falei aqui que o meu personagem favorito do Hugh Jackman é o Van Helsing, mas não dá para negar que o mutante favorito de todos é mesmo um marco na carreira do ator e na história dos filmes imigrantes de HQs e afins.



V
 

Esse ano ele virou um clichê no Brasil, devido a onda de protestos, mas o personagem teve sucesso monumental na época do lançamento do filme também. Dono de uma das frases mais criativas e bem escritas do cinema (na minha humilde opinião, ao menos): “O que você tem são balas e a esperança de que quando elas acabarem eu esteja no chão, porque se eu estiver de pé, mato todos vocês antes que consigam recarregar”. E a promessa é cumprida! SPOILER: Depois de ser atingido por uma rajada de tiros, V dá um show de coreografia atirando suas lâminas em todos os inimigos, restando apenas ele em pé ao final da cena.



Jack Sparrow


Um famoso ator, um belo dia, se apresentou diante do diretor de seu próximo trabalho usando Dreads, uma barbicha louca, e mais delineador que muita modelo de passarela, pois em algum momento entre um cigarro e o sexto copo de tequila (especulação minha), ele imaginou que piratas tinham tudo a ver com astros do rock (de fato, se parar para pensar, piratas eram brigões, esquisitos, mau humorados, com tendências – e na verdade, recursos – pouco higiênicos, e viviam frequentemente bêbados... é, realmente, tudo a ver com o Keith Richards!).


A primeira reação do diretor foi mandar que ele se livrasse da parafernália, mas o ator bateu o pé, dizendo que o diretor conhecia seu trabalho, e que só prosseguiria na produção se aceitassem o personagem como ele o compôs. E como o tradicional tipo Errol Flynn (o pirata que a mulherada quer levar pra casa) na verdade seria representado pelo bonitão Orlando Bloom, seu pedido foi aceito, e Johnny Depp assumiu todos os riscos de seu delírio alucinante. Assim nasceu Jack Sparrow, o pirata mais famoso do cinema atual, e personagem mais marcante de sua carreira.


Apenas a título de menção, Johnny Depp é o rei dos personagens marcantes – fato que se deve principalmente a sua excentricidade na composição estética das figuras. Poderia citar aqui Edward Mãos de Tesoura, Willy Wonka (que na verdade já era famoso na pele de Gene Wilder), Sweeney Todd (que também já havia sido interpretado antes, mas O Barbeiro Canibal original não foi, nem de longe, tão marcante), o Chapeleiro Maluco (um dos poucos que conseguiram a façanha de deixar o ator realmente feio!), e os menos notórios (ao menos, por enquanto) Barnabas Collins de Sombras da Noite e Tonto de O Cavaleiro Solitário.


Miranda Priestly


Vou confessar: no lugar da Andrea, eu enfiaria um par de botas Chanel na goela dessa chefe-Hitler na primeira entortada de boca! Mas como a personagem de Anne Hathaway em O Diabo Veste Prada era um ser-humano infinitamente melhor, mais evoluído e espiritualizado que eu, ela enfrentou a tirana com paciência e competência no trabalho, até conquistar seu (coração?) respeito. Verdadeiramente admirável...


Estou falando da Meryl Streep! Mas elogiar o trabalho dela é quase um clichê.