Conheçam Meus Livros

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Halloween Tour


Se você procura um bom lugar para passar o Halloween, o Admirável Mundo Inventado traz ótimas dicas para você, desde destinos reais a lugares fictícios. Apertem os cintos, porque o Trem Fantasma já vai partir da estação.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Os Monstros Estão à Solta



Por causa do mês do Halloween, eu acabei desenterrando uma gangue inteira de monstros do fundo de algum baú empoeirado. Aliás, bota empoeirado nisso, porque nem me perguntem como foi que me lembrei desse filme...


Figurinha marcada da Sessão da Tarde no passado, esse filme de 1987 com certeza é uma boa lembrança da infância de algumas pessoas. É um filme clichê, com uma história bobinha, que mesmo sendo completamente previsível, cumpria muito bem o seu papel, que era o de divertir o espectador. Só não consigo imaginar na mente de que tipo de tradutor psicopata “The Monster Squad” se tornou “Deu a Louca Nos Monstros”.

O início do filme mostra o flashback de uma noite cem anos atrás. Era uma época de escuridão na Transilvânia. Uma época quando o Dr. Abraham Van Helsing e um pequeno bando de defensores da liberdade se juntaram para livrar o mundo de vampiros e monstros, e para salvar o mundo do mal eterno.



Eles falharam!


Comecinho encorajador, não acham?


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Quando Os Mortos Retornam Para Puxar o Pé... Ou o Gatilho Sobre Seus Assassinos...



Com uma trama macabra – dentro e fora das telas –, O Corvo, filme dirigido por Alex Proyas se tornou um clássico e uma referência do gênero de horror desde sua estreia.


A história do filme foi baseada nos quadrinhos homônimos de James O’Barr. Em 1978, a noiva do cartunista, Beverly, foi morta por um motorista bêbado, e a partir daí, O’Barr criou sua série em quadrinhos, usando a vingança do protagonista como um meio de lidar com sua tragédia pessoal.


Mal sabia O’Barr que a adaptação de sua obra para o cinema também resultaria em outra tragédia.


O filme ficou marcado nas páginas negras da história do cinema pelo acidente ocorrido durante as filmagens, e que resultou na morte precoce de seu protagonista, o ator Brandon Lee, filho do maior mito das artes marciais no cinema, Bruce Lee. Em várias cenas ao longo do filme, o personagem de Brandon era baleado, mas numa delas, uma bala esquecida no cano da pistola encerraria cedo demais a vida de seu promissor intérprete. Algum tempo após o lançamento do filme, surgiram rumores de que a tétrica cena em que o ator foi baleado foi incluída na edição final, embora essa informação jamais tenha sido confirmada por ninguém envolvido na produção, e realmente seja pouco provável. O ator Michael Massee, intérprete de Funboy, contou numa entrevista, anos depois, que foi ele que, sem saber, disparou o tiro que matou Brandon, numa cena em que seus personagens se confrontam – coincidência ou não, na cena em que o personagem de Brandon foi assassinado.


Como a morte do ator aconteceu pouco antes da conclusão das filmagens, eles gravaram as cenas que faltavam com um dublê, e refizeram a cena do assassinato do personagem, excluindo o trágico disparo da cena, e aproveitando o aspecto obscuro da produção, mantiveram seu rosto escondido nas sombras.


Mas para além da tragédia, o filme também ficou marcado pela impecável interpretação de Brandon Lee do personagem Eric Draven, o líder de uma banda de rock que não conseguiu descansar em paz, e precisou retornar dos mortos, carregado pela fúria, pela dor da injustiça, e pelo eterno amor de Shelly, cujo sofrimento e morte ele desesperadamente precisava vingar.


Aliás, o sobrenome do personagem, Draven, é uma referência ao poema de Edgar Allan Poe, The Raven (O Corvo), que claramente foi uma das inspirações para a história.


E embora o enredo do filme não seja exatamente original, nem tenha essa pretensão, ele cativa tanto pelo universo gótico, quanto pela força e o desejo de justiça do protagonista, que em alguns momentos beira a insanidade. Mas principalmente, o filme cativa por Brandon Lee. Sua atuação é simplesmente irrepreensível. Ele empresta toda a fúria, a melancolia, a força e a sensibilidade necessárias ao personagem, sem exageros nem omissões. Até a postura escolhida por Brandon para dar vida ao personagem depois de retornar do túmulo faz lembrar um pássaro: na maneira de andar, de sentar, de se mover e de se comportar. E o olhar... Ah, o olhar de Eric Draven, é simplesmente impossível descrever. Ele tem a fúria e tem a dor, a vítima e o assassino, o anjo e o demônio, o amor e o ódio. Todas as palavras do mundo podem ser ditas naquele olhar. Uma atuação primorosa, que infelizmente, uniu Eric Draven, na arte e na morte, para sempre a Brandon Lee.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Admirável Torturador



O tradicional mês do Halloween aqui no blog, mais uma vez, se inicia com ele, o grande Mestre do Horror: Edgar Allan Poe!

Em outras oportunidades, eu resenhei aqui seu conto O Coração Delator, e o poema O Corvo – provavelmente a obra-prima do escritor. E desta vez, falarei de um de seus contos mais assombrosos. Eu os convido a conhecer a inexorável câmara de tortura dos condenados à morte pela Inquisição, e penetrar a mente perturbada de um homem que jaz em agonia, esperando para descobrir quando e como será executado.

Macabro, não acham? Pois é... Mas somente Edgar Allan Poe era capaz de prender a atenção do leitor numa trama tão funesta, a ponto de, mesmo com horror, não conseguir abandonar a história até que chegasse ao ponto final.


O Poço e o Pêndulo é narrado em primeira pessoa, pelo homem que foi condenado à morte pela Inquisição, em Toledo, Espanha. Ele acorda de repente no escuro, numa câmara que ele não consegue dimensionar, e sem saber exatamente o que esperar, temendo a princípio, que tenha sido sepultado vivo. A única coisa que ele consegue descobrir naquele lugar tenebroso, na escuridão, é a borda de um poço, e deduz que uma das intenções dos inquisidores era justamente que se atirasse ou acidentalmente caísse nele, e como um covarde, abreviasse o sofrimento que logo viria. O protagonista, no entanto, não opta por esta saída. Mas então, como para ampliar ainda mais seus temores, ele é dopado e amarrado a uma armação de madeira, e só algum tempo depois ele percebe, muitos metros acima dele, o movimento monótono de um pêndulo, em cuja ponta há uma lâmina afiada, balançando e descendo muito lentamente em sua direção.

Numa trama de intensa e horrível tortura psicológica, Edgar Allan Poe nos faz conhecer a insuportável agonia de um homem que, sabendo que não há como escapar da morte, tenta se agarrar o máximo que pode à vida, adiando o quanto for possível o inevitável fim, descobrindo que seus executores pensaram, para cada tortura vencida, numa maneira ainda mais cruel e abominável de matá-lo. Com um clímax emocionante!

E a assinatura de um dos maiores escritores do século XIX.