Conheçam Meus Livros

quinta-feira, 14 de abril de 2016

A Voz é a Mesma, Mas o Personagem...



Dublagem é sempre um tema polêmico nos fandons Brasil afora. Alguns defendem, outros condenam quase como se fosse um crime. Principalmente quando se fala em dublagem de séries americanas. Não sei porque, mas existe uma tolerância maior em relação à dublagem de filmes. Chega a ser meio ridículo, se pararmos para pensar, pois existem séries que são tão bem dubladas quanto os filmes de Hollywood, e filmes tão mal dublados quanto algumas séries de TV.
Eu cheguei a mencionar o assunto (muito superficialmente) em postagens anteriores: já comentei o quanto fiquei decepcionada com a dublagem da saga Crepúsculo (se bem que, neste caso, os filmes também foram um pouco decepcionantes), especialmente os três primeiros (em Amanhecer o elenco de dublagem foi trocado, e se tornou mais suportável); Once Upon a Time, no momento, encabeça a lista das séries cujas dublagens mais me irritam; e não gostei, particularmente, da dublagem de Blindspot. Em contrapartida, não tenho absolutamente nada contra as dublagens de The Originals, The Vampire Diaries (com exceção de uma personagem que, graças aos céus, só participou de dois episódios na segunda temporada, e que eu daria um beijo na boca do Damon por tê-la silenciado para sempre), Pretty Little Liars (com raras exceções, também), Supernatural, Two And A Half Men, The Big Bang Theory (que levou em consideração até o timbre de voz dos atores em comparação ao elenco original), entre outras.
Na maioria dos casos, o sucesso ou o fracasso na dublagem de uma produção, é devido mais à qualidade da tradução do texto, do que propriamente à interpretação do elenco de dublagem. Há casos em que o elenco nem é de todo ruim (saga Crepúsculo, por exemplo, contou com alguns dubladores bons), mas o texto acaba sendo mal traduzido ou mal adaptado para a nossa língua, e isso influencia no resultado final do trabalho: a tradução não casa com a história, o texto destoa da cena, e o filme ou a série acaba dando nos nervos de quem está assistindo. Há casos, também, em que tanto o texto quanto a escolha e o esforço do dublador atrapalham a qualidade da dublagem (vou deixar o exemplo a cargo de Once Upon a Time, e vocês escolhem o que enerva mais: a voz enjoativa da dubladora da Emma ou o dublador do Rumplestiltskin, que tem preguiça de imitar as alterações no tom de voz de Robert Carlyle, o ator original, ou a tradução completamente sem sal – e, algumas vezes, sem sentido – dos diálogos da série).
No entanto, apesar de a profissão ser tratada pejorativamente por algumas pessoas, é preciso ressaltar que a dublagem é o tipo mais difícil de atuação. Pode-se resumir a questão da seguinte forma: qualquer pessoa (qualquer pessoa mesmo!) pode ser ator, mas somente um ator de verdade pode ser dublador.
Isto posto, preparei uma lista com alguns dos melhores dubladores do Brasil, aqueles cuja voz e interpretação somadas mais agradam aos ouvidos (principalmente da espectadora que vos fala), e seus respectivos personagens.
Não sei vocês, mas eu, quando estou assistindo a um filme ou uma série dublada, gosto de tentar me lembrar onde eu já ouvi aquela voz. Às vezes, é interessante perceber personagens tão diferentes, interpretados por atores diferentes, que ganharam a mesma voz. E, em alguns casos, acabaram até soando diferentes, apesar de terem sido dublados pela mesma pessoa.
Então, sem mais delongas, vamos conferir, de quem são essas vozes:




Clécio Souto