Conheçam Meus Livros

domingo, 24 de julho de 2016

Vem Cá, Eu Te Conheço? Então, Vamos Nos Conhecer...



Genteeee, o ano está passando depressa demais! Tinha resolvido que esse ano eu iria postar mais regularmente aqui no blog, mas os dias passam voando, e quando eu vejo, já foi e eu não tive tempo para terminar tudo o que planejei fazer. É uma lei de Murphy: “tudo sempre leva mais tempo do que todo o tempo que você tem disponível”.


Bem, então, enquanto eu termino uma série de postagens que estou preparando, vou responder a uma TAG bem legal, que a Camila Dias do blog Viagem Literária me indicou.


A TAG é:


CONHECENDO NOVOS BLOGS

 
Antes de começar, gostaria de dizer que dou todo apoio a esse tipo de iniciativa. Às vezes, quem está do outro lado da tela, não tem ideia de como é difícil manter um blog, e, principalmente, como é difícil fazê-lo dar certo. No começo, pode até parecer meio desesperador, olhar para o painel de estatística e verificar que você teve cinco acessos no dia; e desses cinco, possivelmente três foram seus. Sim, é triste. Dá uma sensação incômoda de estar falando para as paredes. O Admirável Mundo Inventado completou quatro anos de existência no mês passado, e hoje, apesar do pequeno número de seguidores inscritos no blog, tenho recebido um número relativamente satisfatório de acessos mensais – cerca de 2.000. Considerando que eu nunca fiz muito esforço para divulgá-lo, não está mal. Mas foi um longo caminho até aqui, e ainda há um longo caminho a percorrer.


Por isso, acho importante esse tipo de iniciativa, para divulgação de novos blogs, porque, ao mesmo tempo em que nós nos beneficiamos, também temos a oportunidade de descobrir blogs incríveis, dos quais podemos vir a nos tornar leitores assíduos. Afinal, nunca se sabe os tesouros que podemos encontrar enterrados nesse imenso cyberespaço.


Isto posto, vamos à TAG.


A proposta é a seguinte:


Então, vamos do princípio:



1. Não é segredo há muito tempo que Verônica Lira é um pseudônimo. Meu verdadeiro nome é Talita Vasconcelos. Porém, mais que um pseudônimo, Verônica Lira é a melhor parte de mim: é como eu me sinto mais à vontade para escrever. Gosto tanto do meu lado Verônica, que às vezes não reconheço meu lado Talita.


2. Sou extremamente tímida. Demoro um pouco para me sentir à vontade com pessoas que acabei de conhecer. Participo pouco das conversas, mas estejam certos de que estou ouvindo atentamente, e, cedo ou tarde, eu acabo me soltando.


3. Sou ambidestra.


4. Me irrito com pessoas que ficam espiando por cima do meu ombro. Principalmente quando estou escrevendo; perco a concentração na hora.


5. Sou completamente apaixonada por futebol. Não gosto, particularmente, do Brasileirão, mas acompanho a maioria dos campeonatos da Europa. E quando digo que acompanho, é porque acompanho mesmo! Você pode me perguntar sobre qualquer jogador que passar pela sua cabeça, mesmo que não seja muito famoso; se ele estiver na Premier League, Bundesliga, Serie A Tim, Ligue 1, Eredivisie ou Jupiler Pro League, há uma boa chance de eu te dizer de bate-pronto em que time ele joga. Se pa, até o número da camisa.


6. Às vezes falo com as pessoas na televisão como se elas de fato pudessem me ouvir; principalmente quando estou assistindo jogos de futebol – não é impressionante a quantidade de vezes que os narradores se enganam com os nomes dos jogadores? E, às vezes até com os times que estão em campo, ou disputando outros jogos da mesma competição, cujos resultados eles informam durante a transmissão. Me lembro, particularmente, de um jogo muito curioso das eliminatórias da Euro em que, segundo o narrador, a Noruega abriu o placar contra a Itália, mais tarde a Itália empatou com a Holanda, e no final, a Itália virou dois a um para cima da Croácia – detalhe que a Holanda nem estava na mesma chave que a Itália, e que era justamente o jogo da Holanda contra a República Tcheca que ele estava transmitindo. O canal devia ter anunciado que aquele jogo era um oferecimento dos Refrescos do Chaves: a Itália joga contra a Noruega, empata com a Holanda, e no final ganha da Croácia! Para qualquer um que visse a cena na minha casa, estava a “maluca” aqui, brigando com a televisão, pedindo para o narrador se decidir. Super normal...


7. Com exceção de regatas – e ainda assim, só em situações muito especiais, ou por baixo de blusas muito decotadas ou meio transparentes – não uso roupa branca de jeito nenhum. Detesto! É possível que no meu casamento eu use um vestido de outra cor.


8. Admito: às vezes, nos meus livros, eu incluo situações que aconteceram de verdade, comigo ou com pessoas que eu conheço – em geral, situações engraçadas. E às vezes eu distorço essas situações para ficar mais legal, ou para se adequar melhor à história.


9. Tenho uma queda por nomes estranhos ou fora de uso para os meus personagens – Desidério, o querido Barão de Ajuricaba, de Aconteceu Na Véspera de Finados, que o diga!


10. Costumo escrever quatro ou cinco histórias ao mesmo tempo. Eis a razão porque demoro uma eternidade para terminar as coisas. E, sim, às vezes eu me perco um pouquinho, mas é bom porque isso me faz voltar algumas páginas, reler o que já escrevi, e fazer correções de coisas que possam ter passado despercebidas enquanto escrevia.


11. Falo muita abobrinha quando levanto cedo. Muitas cenas engraçadas que escrevi vieram daí. Então, se quiser que eu seja racional, me deixe dormir! Rs.
 


1. Qual o seu gênero literário favorito?

A parte mais difícil é escolher um! Minha preferência está sempre relativa ao meu humor, e estou sempre procurando experimentar coisas novas, gêneros inexplorados. Sei que ainda não conheci tudo que o que há para se conhecer em se tratando de gêneros literários, então, não me atrevo a fechar com um tema favorito. Gosto de variar: romance, aventura, fantasia, e, algumas vezes, terror. Mas se tiver que resumir em apenas um, diria que o meu gênero favorito é aquele que me fizer feliz no momento.


2. O que te inspirou a criar o blog? E por que falar sobre livros?

A história incompleta do que me inspirou a criar o blog, é que eu queria um espaço onde eu pudesse catalogar minhas histórias favoritas, falar sobre filmes, séries, livros e contos, como se fosse um diário de resenhas, expor minhas opiniões, por mais malucas que elas sejam, e recontar as histórias do jeito como eu contaria aos meus amigos, criando os diálogos malucos que eu costumo colocar nas resenhas, interpretar os fatos conforme as minhas impressões, fazer graça, testar minha veia cômica, enfim... Aqui e ali incluir um texto meu, também, e, ao mesmo tempo, experimentar como seria escrever para um público, ver qual seria a recepção.


Por pura timidez, escolhi assinar o blog com um pseudônimo, e só contei a alguns poucos amigos. Criei Verônica Lira, a máscara que eu coloco para tirar a minha própria máscara (por mais que esta frase não pareça fazer sentido), porque é mais fácil escrever sem inibições quando não se mostra o rosto. Como Verônica eu me liberto, e consigo ser quem eu seria se não fosse tão tímida, deixo de me censurar, e assim, me divirto recontando as histórias, permitindo que as minhas piadas ganhem voz (ou, no caso, letras). E agora, depois de quatro anos escrevendo o Admirável Mundo Inventado, eu tenho certeza que fiz a escolha certa, naquele 01 de junho de 2012, quando coloquei o blog no ar. Cada vez que eu leio ou ouço um comentário positivo sobre o blog, sobre as resenhas, sobre os meus textos, o sentimento que se apodera de mim é tão gratificante, que preenche as duas eus, a Verônica e a Talita.


Quanto aos livros... Bem, a escolha de Admirável Mundo Inventado para ser o nome do blog – um trocadilho proposital com o livro de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo –, foi porque eu não queria limitar o blog a um único tema ou assunto. Queria falar sobre livros, mas também sobre filmes, séries, música, poesia, mitologia... Afinal, todas as formas de arte andam juntas, de certo modo. A essa altura, acho que o blog tem uma quantidade bastante equivalente de postagem sobre filmes e sobre livros – maior que o número de postagens sobre os demais assuntos. Sou apaixonada por livros, leio um atrás do outro, e acho que a experiência da leitura nunca está completa até que eu escreva uma resenha – ainda que eu não publique todas elas. Faço isso por prazer, porque o coração continua flertando com a história. E, convenhamos, existe coisa mais deliciosa que compartilhar com as pessoas os sentimentos bons que os livros nos inspiram?


3. O que espera para o blog daqui a 5 anos?

Espero continuar escrevendo ele com o mesmo amor e com a mesma satisfação com que faço hoje. E, se possível, com mais frequência do que venho fazendo, rs.


4. E o que espera para você nesse meio tempo?

É difícil fazer planos para daqui a cinco anos, principalmente porque provavelmente esses cinco anos vão passar com a rapidez de cinco meses. Eu poderia fazer uma longa lista do que eu espero que aconteça nesse tempo: espero continuar me reinventando, espero que a Verônica se apodere de mim de vez, espero escrever uns vinte livros (e publicar todos eles!), e ler mais uns duzentos, espero ganhar na loteria (sonhar não paga imposto!)... Enfim... Mas, para dizer a verdade, meu único plano, a curto e a longo prazo, é ser feliz.


5. Qual livro você indicaria para alguém que nunca leu antes?

Para início de conversa, os meus! Rsrs. Afinal, propaganda é a alma do negócio. Pode até escolher: Alma de Rosas, A Morte Não é o Fim, As Noivas de Robert Griplen. Como diria o seu Creison, do Casseta & Planeta: eu agarantchu!


Falando de outros autores agora... Depende da faixa etária da pessoa, se é homem ou mulher... Como penso que devemos valorizar e difundir a literatura nacional, começaria com títulos nacionais contemporâneos. Para uma mulher, por exemplo, eu recomendaria Carina Rissi, com todas as suas opções de título, mas especialmente Perdida (que se tornou um dos meus livros/séries de livros favoritos), ou Azar o Seu!, da Carol Sabar. Para um homem, acho que eu indicaria Arma de Vingança, do Danilo Barbosa. Os livros da série Vagalume, da Editora Ática também são ótimas indicações, independente do sexo e da faixa etária.


Agora, fora os nacionais, independente qualquer circunstância, sem medo de errar, indicaria Harry Potter! Até hoje não conheci uma única pessoa que, gostando de ler ou não, não tenha ficado completamente absorvido naquelas páginas maravilhosas.


6. Qual livro te fez gostar de ler?

Falando honestamente, não lembro. Veja bem, eu comecei a ler com dois anos de idade. Não faço ideia de qual foi o primeiro livro – infantil, obviamente – que eu li. Mas o primeiro que eu me lembro de ter lido, e que com certeza contribuiu para a minha atual paixão pelos livros, foi Alice No País das Maravilhas, de Lewis Carroll. Na verdade, nem era a história completa, foi uma versão condensada – dessas que, de tempos em tempos são postas a venda em bancas de jornal, mais ou menos da grossura de um gibi, com desenhos de página inteira e somente um parágrafo de texto por página. Posteriormente, eu li o livro completo e a continuação, Através do Espelho. Mas foi o que me conquistou.


7. Uma citação.

“Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia.” (Harry Potter e as Relíquias da Morte)


8. Você grifa livros? De que jeito marca suas frases e momentos preferidos dos livros?

Não consigo grifar os livros. Para mim, eles são como uma coisa sagrada, que eu não tenho coragem de profanar. Eu costumo copiar as minhas frases e trechos preferidos num caderninho (que, por sinal, está prestes a ganhar o segundo volume), com o número da página do livro onde a frase está.


9. Um casal literário que você admira e "inveja".

Sofia Alonzo e Ian Clarke – Sofian, para os íntimos –, protagonistas da série Perdida, da Carina Rissi. Por tudo o que eles são capazes de enfrentar e de abrir mão para poderem ficar juntos; por todas as confusões em que eles se metem e que tanto nos divertem; e porque se a pessoa não se apaixonar perdidamente por esse cavalheiro chamado Ian Clarke, é melhor procurar um médico ou um psiquiatra, porque tem alguma coisa MUITO errada com você! (A menos que você seja homem, é claro. Rs).


10. Um livro que te conquistou, mas que não é do seu gênero preferido.

Definitivamente, Febre de Bola, de Nick Hornby. Já falei aqui, provavelmente mais de uma vez, que nunca fui fã de biografia. Mas um livro que, embora biográfico, conta mais a história do time do coração do cara – que, por acaso, também é o meu; ou, no caso, um dos meus – do que a dele próprio, e ainda por cima é sobre uma das coisas que eu mais amo – o futebol –, não tinha como eu não me apaixonar.


11. Você escreve? Se sim, que gênero define todos, ou a maioria, dos seus livros?

O tempo todo! Inclusive, como podem ver na lateral do blog, tenho alguns livros publicados (três em formato digital e um em edição física). Além desses, tenho mais outros nove escritos, que ainda não publiquei.


Assim como na leitura, gosto de passear por diversos gêneros, mas a grande maioria dos livros que escrevi são romances. Também escrevi três aventuras e um romance policial.


 




1. Por que escolheu esse nome para o seu blog?

2. Qual a coisa que você mais gosta de fazer no seu tempo livre?

3. Se você pudesse visitar de verdade um mundo fictício, qual você escolheria? E por quê?

4. Se você pudesse trazer um personagem fictício para o mundo real, quem você escolheria?

5. Cite um livro – se possível que pouca gente conhece ou de um autor pouco conhecido – que você gostaria que virasse filme.

6. Qual foi o sonho mais legal ou mais maluco que você já teve?

7. Imagine que você é um ator/atriz, e cite um filme ou uma série que você gostaria de ter participado. Qual personagem você gostaria de ter sido, e por quê?

8. Cite um livro que você tenha julgado pela capa, e que gostou de ler, e um que você julgou pela capa, e não gostou de ler.

9. Quais são os seus autores favoritos?

10. Se você pudesse reescrever o final de uma história – seja livro ou filme – qual seria? E como ficaria?

11. Quais as três postagens do seu blog que tiveram mais acessos?



 

Gostaria de agradecer à Camila pela indicação. Foi uma delícia responder a essa TAG. Um super beijo, Camila!


Se quiserem me mandar o link com as postagens de vocês, vou adorar ler.






2 comentários:

  1. Obrigada por me indicar, alguém já me indicou a esta tag, mas ainda não respondi, vou conciliar as duas, e quando responder te aviso.

    Bjux ;)
    http://entrelinhasalways.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Desafio em dobro, então, hein! rsrs

    Me mande o link quando você postar ;)

    Beijão!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!
E já que chegou até aqui, deixe um comentário ♥
Se tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.