Conheçam Meus Livros

sábado, 17 de agosto de 2013

Onde Fica o Fim do Mundo?


Antes de começar a falar de Piratas do Caribe – No Fim do Mundo, quero mencionar algumas curiosidades a respeito da história (apenas da trilogia inicial):

1) No primeiro filme apresentam-se dois grandes portos piratas reais do século XVII no Caribe:

     - Port Royal, Jamaica, que chegou a ser governado pelo Capitão Henry Morgan, a esta altura, corsário a serviço da Marinha Real Britânica, outrora um dos mais famosos piratas da história;
    - Tortuga, uma ilha que recebeu esse nome porque realmente parece uma tartaruga monstruosa a flutuar quando vista de Hispaniola (outra ilha do mar do Caribe, atualmente conhecida como Ilha de São Domingos, onde ficam o Haiti e a República Dominicana).

2) Ainda neste filme é citado o Código Pirata, compilado por Henry Morgan e Bartholomew Roberts. Na verdade, existiram várias versões de Códigos Piratas, que variavam de acordo com o navio, a viagem ou o capitão, mas se assemelhavam em vários pontos. Como era comum queimar ou jogar o código no mar na iminência de uma captura para evitar que fossem usados contra eles nos julgamentos, apenas partes de alguns códigos sobreviveram.


3) Já no segundo filme conhecemos a lenda de Davy Jones e do Holandês Voador. Eu cheguei a mencionar esta lenda na postagem de Halloween, mas vamos acrescentar o seguinte: o termo Holandês Voador na verdade se refere ao Capitão e não ao nome da embarcação. Todavia, Davy Jones é uma figura lendária normalmente associada a esta lenda, como sendo o Capitão do navio.


4) Calipso, cuja lenda surge no terceiro filme, foi uma ninfa do mar que, segundo a mitologia grega tentou seduzir Odisseu quando ele esteve preso em sua ilha.

5) Obviamente Cingapura se escreve com “C”, no entanto, historicamente, a província asiática que possui este nome nasceu no século seguinte ao retratado no filme, portanto, a “Singapura” de Piratas do Caribe é uma cidade fictícia.


6) As “peças de oito” eram moedas de prata espanholas da época colonial, que valiam oito reales cada. Mais tarde essas moedas foram chamadas peso.


Sem mais delongas, vamos ao filme:


"O rei despertou a rainha do mar...”, cantam os piratas enquanto são sumariamente enforcados, aparentemente, seguindo a solista Elizabeth Swann, que navega num bote para o interior da Fortaleza de Sao Feng, em Singapura, ao mesmo tempo em que a tripulação do Pérola Negra tenta escapar da prisão.


Elizabeth é revistada antes de adentrar a fortaleza, impressionando-nos com a quantidade de armas e bombas que ela consegue esconder nas dobras das roupas – e sabe-se lá mais aonde!


Então ela e Barbossa são levados à presença de Sao Feng, que já os esperava para interrogá-los a respeito de um fulano que invadiu o muito honrado templo de seu tio e tentou roubar as cartas de navegação, que possuem a rota do mais distante portão e levam a um mundo muito além deste. A princípio, Elizabeth e Barbossa fingem não conhecer Will, mas quando Sao Feng ameaça cometer o maior de todos os sacrilégios do mundo, destruindo o rosto lindo do nosso querido e amado herói, Elizabeth reage, de modo que Sao Feng percebe que ele estava ali a mando deles.



Barbossa tenta convencer Sao Feng a convocar a Corte da Irmandade, e diz que precisa das cartas de navegação para ir até o baú de Davy Jones resgatar o Capitão Jack Sparrow.



Barbossa diz que Jack é um dos Lordes Piratas, e possui uma das nove peças de oito, e como não chegou a passá-la a um sucessor antes de morrer, eles precisam ir pegar.


De posse de espadas enviadas pela tripulação através das rachaduras do piso, Barbossa e Elizabeth iniciam uma luta contra os homens de Sao Feng, e o Lord Pirata de Singapura ameaça matar um homem se Barbossa e seus aliados não largarem as armas.



Para surpresa de todos, a Companhia das Índias Orientais invade a fortaleza, e Will aproveita a confusão para barganhar com Sao Feng por um navio, tripulação e os mapas, mas não revela aos amigos o que ofereceu em troca.


Enquanto eles tentam interpretar o mapa, o recém-promovido Almirante Norrington invade o Holandês Voador, de posse do baú que contém o coração pulsante de Davy Jones, e anuncia que eles agora navegarão sob o comando da Companhia das índias Orientais.


Enquanto isso, em algum lugar perto das corredeiras da morte, há um clima tenso entre Will e Elizabeth desde que Jack “ficou para trás”. Porém o Capitão entrou na fila da máquina de xérox, e agora ele é o Capitão, o Imediato, tripulante e até galinha nas horas vagas. O baú de Davy Jones o deixou completamente biruta; muito mais que de costume...




Quando o comitê de resgate chega ao baú de Davy Jones, veem o Pérola Negra deslizar sobre a areia carregado por uma multidão de caranguejos.



A princípio, Jack acha que eles são alucinação sua, porém, ao se convencer de que realmente estão lá, ele pensa em deixar seus antigos traidores para trás, mas como não faz a menor ideia de como sair do baú de Jones, e são justamente seus traidores que têm o mapa...


Enquanto navegam naquela dimensão, eles se deparam com as almas dos que morreram no mar, e que Jones não conduziu ao outro lado, conforme lhe fora ordenado por Calipso. Entre eles está o Governador Weatherby Swann, pai de Elizabeth, que fora executado por Beckett porque descobriu sobre o coração no baú. Elizabeth se desespera, quer trazer o pai a bordo, levá-lo de volta ao mundo dos vivos, mas ele está em paz.


Após examinar o mapa por algum tempo, Jack finalmente descobre o significado da charada. É uma teoria simples, que inclusive já virou música: o sol se põe aqui e renasce no Japão. Auroras não se põem, mas o brilho verde surge ao pôr do sol. Para quem achou a explicação complicada, eu simplifico: eles precisam virar o navio de ponta-cabeça ao pôr-do-sol, para ressurgir do outro lado – no mundo dos vivos – ao nascer do sol.



Então eles correm de um lado para o outro do convés para balançar o navio, até que ele finalmente vira, e quando a água desce, o Pérola Negra emerge do lado certo ao nascer do sol no mundo dos vivos.


E como estão de volta sãos e salvos, seu objetivo foi cumprido, portanto a trégua está desfeita. Eles apontam armas uns para os outros, salve-se quem puder, porém nenhum tiro é disparado porque a pólvora está molhada.




Jack e Barbossa desembarcam numa ilha, encontram o cadáver do Kraken, que foi morto a mando do Lord Cutler Beckett, em sua única ação útil na história, e finalmente são rendidos por Sao Feng, e descobrem que foram traídos por Will, que precisava do Pérola Negra para salvar seu pai.


Jack é levado até Lord Beckett, enquanto Will discute com Sao Feng. Há uma enorme negociação a respeito do Pérola Negra, a Corte da Irmandade e a liberdade da maioria dos personagens, e enfim Jack faz uma saída estratégica, sem derramar uma gota de rum.



Sao Feng leva Elizabeth em seu navio, pensando que ela é Calipso, e neste momento nos perguntamos se havia uma cláusula no contrato dela que a obrigava a beijar todos os personagens masculinos do filme, porque só lhe escapou o Barbossa!



Uma bala de canhão atinge Sao Feng no momento em que são atacados pelo Holandês Voador, e antes de morrer, ele entrega sua peça de oito à Elizabeth e a faz Capitã.



Como diria Cazuza, o tempo não para, e seu novíssimo alto cargo vem acompanhado de novos e maiores problemas, que levam Elizabeth a se tornar imediatamente prisioneira do Holandês Voador ao lado de sua tripulação, apesar da intervenção de Norrington.


Acabou que o contratempo foi de grande serventia para a nova capitã, que tem um encontro especial em sua cela com o futuro sogro Bootstrap Bill Turner, e descobre que o pai de seu amado está com muitos parafusos soltos devido à sua servidão a Davy Jones. Ele agora é parte do navio, além da tripulação, e mal se lembra do filho, nem tem esperança de ser resgatado, pois sabe que se Will o fizer, perderá Elizabeth.



Will está deixando uma trilha de corpos para Beckett, para conquistar sua confiança. Jack, que tem sua própria maneira de fazer todos os personagens colaborarem, ainda que involuntariamente, com seus planos mirabolantes, entrega sua bússola a Will para usá-la na barganha com Beckett e o expulsa do navio com seu fortíssimo bafo de rum.


Norrington, em seu último e verdadeiro ato de bravura, auxilia na fuga de Elizabeth e sua tripulação, o que ela paga com um beijo – um a mais ou um a menos... – antes de ser morto por Bootstrap.


Davy Jones e seus homens organizam um motim para retomar o controle do Holandês Voador, porém, acabam rendidos, já que a Companhia das Índias Orientais possui o baú e a chave para o coração do Capitão.


E enquanto os piratas chegam à Baía Naufrágio, Will toma chá com Beckett e dá lembranças de Jack a Davy Jones. O Capitão do Holandês Voador fica insatisfeito por saber do resgate do malandro e mais furioso ainda por saber que a Corte da Irmandade quer libertar Calipso. É quando Will se dá conta de que foi ela quem traiu o coração de Davy Jones e o transformou num monstro.




Faltou alguém?



Finalmente, a Corte se reúne, e apresenta suas famosas peças de oito, ou como Gibbs tão eloquentemente colocou, as nove peças do que fosse que estivesse em seus bolsos. Para a surpresa de todos, Elizabeth chega à Corte, apresentando-se como Capitã no lugar de Sao Feng, e denuncia a traição de alguém junto a Companhia das Índias Orientais.




Enquanto os piratas discutem sobre libertar ou não a deusa do mar, e sobre o que fazer com a língua de Barbossa depois de cortá-la e atirar nela, Calipso recebe a visita de seu antigo amor barba-de-tentáculos, Davy Jones. E embora não haja chance de reconciliação ela promete vingar-se da Corte da Irmandade por tê-la aprisionado em forma humana, e Jones garante que seu coração sempre pertencerá a ela.



Justiça seja feita, Naomi Harris, a atriz que interpreta Tia Dalma/ Calipso, sem a caracterização da personagem é lindíssima:



Davy Jones deve tê-la conhecido na versão da primeira foto, e isso sem dúvida explica a fúria da ninfa!


Jack concorda com Elizabeth que devem lutar contra Jones e Beckett, pois duvida que Calipso seja misericordiosa com eles depois que a libertarem. Porém, de acordo com o Código Pirata, o ato de guerra só pode ser convocado pelo rei pirata, e há o problema de nunca terem conseguido eleger um, porque cada Capitão sempre vota em si mesmo. Neste momento, surgem dois simpáticos personagens que roubam a cena por um minuto: o Capitão Teague, pai de Jack, guardião do Código Pirata, e o Madruguinha, agora promovido a guardião das chaves do Código.



Teague examina o livro e confirma a necessidade de um rei para convocar o ato de guerra. Mesmo pensando ser um ato inútil, os piratas iniciam a votação, e Jack surpreende a todos votando em Elizabeth, mesmo sob os protestos dos outros Capitães. Enfim, numa subida monumental de zero a rei, Elizabeth ordena que preparem as naus para a batalha.


Conheçam agora a nada convencional família Sparrow:


Finalmente, vamos à guerra. Os piratas são surpreendidos por um número inesperado de navios que vêm contra eles sob o comando de Beckett. Elizabeth, Jack e Barbossa desembarcam numa ilhota para um encontro com Beckett, Will e Davy Jones com os pés enfiados numa bacia de água, pois parece ser o único modo de o Capitão do Holandês Voador estar em terra fora do único dia em dez anos, sem de fato botar os pés em terra. Outro excelente uso da lógica.


Beckett denuncia Jack como sendo o arquiteto da traição de Will, porém ele nega ter participado. Jones cobra o débito de servidão de Jack, mesmo o pirata afirmando já tê-lo pago com a ajuda de Elizabeth, que propõe trocar Jack por Will. Sua decisão acaba sendo acatada, já que ela é o Rei Pirata. E antes de partir para a sua sina, Jack tem sua peça de oito furtada pelo macaco de Barbossa.



Em sua cela no porão do Holandês Voador, Jack discute consigo mesmo. Seu plano deu certo em partes: conseguiu chegar a bordo do Holandês, mas está preso numa cela, o que coloca seu plano de furar o coração e alcançar a imortalidade fora de alcance.


Enquanto isso, a teimosia de Barbossa em libertar Calipso acaba por levar todos a um momento revelador, quando, a bordo do Pérola Negra, eles colocam todas as peças de oito usadas para subjugá-la juntas numa bacia, e cabe ao pobre e subestimado Ragetti dizer as palavras que a libertarão:



Apenas para que conste nos autos do processo, Barbossa fez o que fez por livre e espontânea  CHANTAGEM!



E antes de deixar o corpo de Tia Dalma, a deusa do mar é alertada por Will sobre quem ensinou a corte a subjugá-la: Davy Jones.


Enfurecida com todos, Calipso literalmente abandona o barco e invoca uma tempestade como vingança.


E como sua última esperança se foi, Elizabeth faz um discurso para inspirar os piratas a lutarem até o fim. Então, ao sinal do Pérola Negra, todos os navios piratas içam suas Jolly Rogers – a bandeira pirata – ao alto do mastro, e se prestarem atenção, vão ver que todas as mais famosas Jolly Rogers – que em geral apresentavam diferenças de um Capitão para o outro, tanto na figura, quanto no fundo, podendo ser preto ou vermelho, e no caso de uma particularmente neste filme, azul – foram representadas no filme.



Agora reparem na arrogância de Beckett: enquanto os piratas avançam para a luta, ele toma chá tranquilamente, deixando toda a responsabilidade da batalha nas mãos de Jones, superconfiante de que não pode ser vencido, já que tem o controle do Holandês Voador.



Jones percebe pela tempestade que Calipso foi solta, e que a chuva está contra ele. Elizabeth manda Barbossa assumir o timão ao ver o redemoinho se formando à frente, e o pirata fica feliz como uma criança por poder finalmente liderar o navio.



Lembrando-se de uma preciosa lição que aprendera com Will Turner na época de sua prisão em Port Royal, Jack verifica que as celas do Holandês Voador também têm dobradiças de meia barra, e consegue levantar a porta com uma alavanca.



É bala de canhão para todo lado! Jack recupera seus pertences e rouba o baú de Jones enquanto os guardiões discutem. Enquanto isso Jones faz o Imediato de Beckett engolir seus tentáculos para recuperar a chave do baú e retomar o controle de seu navio, mas ao ver que o baú está sendo levado por Jack, sua prioridade passa a ser ganhar uma luta corpo a corpo com o pirata para recuperá-lo.



Finalmente, o momento que todos esperavam. Nenhuma história realmente termina se não houver um casamento. E este foi realmente, de todos os casamentos da ficção, o mais divertido e original. Enquanto o mundo desaba em água, no meio de uma luta de espadas, Will Turner pede Elizabeth Swann em casamento.



E como oficiar casamentos faz parte da nobre tradição pirata, Barbossa realiza a cerimônia com o maior o primor.




E como muitas coisas estão acontecendo ao mesmo tempo, os noivos dão uma ajudinha ao “clérigo” Barbossa:



O mundo acabando ao redor, e eles casando e beijando na maior tranquilidade. Pintel e Ragetti assistem de um alçapão do deque, emocionados.



É tanta confusão que fica até difícil contar sem deixar escapar algum detalhe. Enquanto as velas do Pérola Negra e do Holandês Voador se enroscam ao redor do redemoinho, Barbossa quase é morto por um homem-peixe; Cotton demonstra ter um medo terrível do timão; quebra a espada de Jack; o baú de Jones cai na cabeça de um...


Alguns detalhes interessantes:


- Baús também podem ser usados como espada;


- Macacos com fogo no rabo são as melhores balas de canhão que existem;


- Nunca confie no seu pai se ele for um homem-peixe, porque você pode tentar ajudá-lo enquanto ele lhe aplica um corretivo;




- Cuidado! O homem dos tentáculos vai te pegar;



- Amor e uma luta até a morte com um imortal é uma péssima combinação.



Finalmente Jack consegue pegar o coração de Davy Jones e ameaça furá-lo com sua espada quebrada.



Porém, ao ver Jones atravessar Will com a espada, Jack não tem coragem de furar o coração. A memória de Bootstrap é resgatada ao ver o filho quase morto, e ele se atraca com Jones, dando a Jack a chance de levar o coração até Will e ajudar a furá-lo.



Davy Jones despenca morto no redemoinho, enquanto Elizabeth chora a morte de seu marido, mas Jack tira a moça do navio usando uma das velas como paraquedas e são resgatados pelo Pérola Negra ao fim da tempestade.



Beckett continua confiante de sua vitória, mesmo com a morte de Jones, porém, ao ver o Holandês Voador ressurgir do mar, sob o comando de seu Capitão novo em folha Will Turner, que teve o coração arrancado por Bootstrap, já que o navio precisava de um Capitão e Will não tinha outro compromisso marcado, exceto com a morte, Beckett sofre uma pane no sistema principal, que obriga seus homens a abandonarem o navio para não serem mortos, e faz com que os aliados da Companhia das Índias Orientais recuem. E adivinhem o que acontece com o vilão?




Como prometeu, Will liberta seu pai, mas quem serviu dez anos a um monstro esquisito como Davy Jones, não vê problema em continuar servindo agora que melhoraram de capitão...


Elizabeth se despede da tripulação do Pérola Negra, agora que não tem mais motivo para continuar navegando com piratas, exceto sua vocação natural e gosto pela coisa, o que certamente compromete a honra de uma mocinha do século XVIII.




Os piratas deixam Elizabeth numa ilha onde, tirando antecipadamente seu dia de folga antes de começar o serviço a bordo do Holandês Voador, o novo Capitão Will Turner aproveita para consumar o casamento com sua perigosa donzela, e já encaçapa um gol de placa que conhecerá em sua próxima visita dali a dez anos: um lindo menino que a mãe está treinando para se tornar um pirata como o pai.




Dica, Will: peça um exame de DNA, porque diante da folha corrida da Elizabeth, vai que...


Agora que a tentação (Elizabeth) foi tirada do caminho de Capitão Jack Sparrow, ele volta a sua velha rotina com as duas meretrizes que amam estapeá-lo em qualquer oportunidade, e quando chega ao porto de Tortuga percebe que seu navio foi roubado por Barbossa DE NOVO!




E ele também procura...



Alguns tapas depois, ele se despede de Gibbs da forma mais hilária possível.



Mas como é um homem astuto, e já teve sua cota de experiências lidando com Barbossa, Jack retirou a parte importante do mapa que Will roubou de Sao Feng.





Navegando no escaler, Jack faz seus planos, divulgando um mega spoiler de sua próxima aventura.




E terminada a trilogia inicial da saga do Capitão Jack Sparrow, nos veremos em breve com novas aventuras e personagens inesquecíveis.


4 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada, Lucas. *-*

      Seja sempre muito bem-vindo!

      Beijos

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada, Miguel. *-*

      Fico feliz que tenha gostado.

      Seja sempre muito bem vindo!

      Beijos

      Excluir

Obrigada pela visita!
E já que chegou até aqui, deixe um comentário ♥
Se tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.