Conheçam Meus Livros

sábado, 28 de junho de 2014

Galeria Chespirito #5: O Supergênio Através do Tempo



Era o ano de 1970. Um talentoso ator e roteirista de comédia de uma importante emissora mexicana criava um novo programa para a grade, sem jamais prever que quarenta anos depois seus personagens ainda estariam tão vivos na cultura de tantos países, e que ainda seriam tão queridos e admirados. Crianças, jovens, velhos; gerações de pessoas acompanharam e acompanham até hoje esse sucesso, que provavelmente nunca irá se desgastar.

Era 1970, quando ia ao ar pela primeira vez o programa criado pelo “supergênio da mesa quadrada”, Chespirito (Roberto Gomez Bolaños).


Em mais de vinte e cinco anos de programa, Bolaños criou inúmeros personagens que se tornaram ícones da comédia mundial. Alguns são bem famosos aqui no Brasil, outros nem tanto, e alguns permanecem inéditos para nós (exceto para os que, como eu, assistiram os esquetes com áudio original em espanhol na internet – valeu YouTube!).


OS SUPERGÊNIOS DA MESA QUADRADA

Primeiro quadro do programa, que foi ao ar entre 1970 e 1972, era uma sátira das tradicionais “mesas redondas”. A “mesa quadrada” era composta por Dr. Chapatin, Ramón Valdés, Maria Antonieta de Las Nieves e Professor Girafales – teoricamente o primeiro personagem do famoso programa Chaves del Ocho a ser criado por Bolaños, embora ele tenha feito sua estreia no quadro apenas em 1973.



Esse quadro era bastante semelhante ao “Rodada da Noite”, no atual The Noite do Danilo Gentili: os quatro humoristas liam notícias reais, e em seguida as debatiam e satirizavam.

Como o quadro nunca foi exibido no Brasil, os vídeos na internet estão em espanhol. Escolhi este porque está bem fácil de entender, mesmo que não domine o idioma:




Foi também no Programa Chespirito que nasceram os dois personagens mais famosos de Bolaños:




CHAPOLIN COLORADO
(cuja permanência fora do ar no SBT ainda me enoja)




Criado para ser o oposto dos consagrados super-heróis americanos, Chapolin era fraco, feio, covarde, pobre, medroso e estabanado, que na maioria das vezes vencia os vilões com uma boa ajuda da sorte; e outras vezes tornando-os vítimas de suas trapalhadas.

Ao longo de tantas temporadas (entre a série independente e os esquetes do Programa Chespirito), Chapolin enfrentou um sem-número de vilões, sendo os mais notórios: Tripa Seca (Ramón Valdés), Quase Nada (Carlos Villagrán), Poucas Trancas (Ruben Aguirre), Botina (Edgar Vivar), Bruxa Baratuxa (Maria Antonieta de Las Nieves), e meu favorito, o Pirata Alma Negra (Ramón Valdés).

 


Um detalhe particularmente interessante neste quadro, foi a introdução de um segundo super-herói: Super Sam, este mais parecido com o estereótipo americano, mas tão atrapalhado quanto o Chapolin. Se era uma tentativa de emplacar uma dupla de super-heróis (para competir com Batman e Robin), ou apenas uma sátira mais explícita dos heróis americanos (cujos disfarces nem sempre escondem muito bem suas verdadeiras identidades), não me atrevo a especular. Vou aceitar a explicação de Florinda Meza no episódio “Poucas Trancas”:

“Super Sam é uma espécie de Chapolin Colorado, só que com conta bancária”.


Episódio de 1990, só foi exibido uma vez no SBT:

A Volta dos Vivos Mortos






CHAVES DEL OCHO – ou simplesmente CHAVES


O quadro que consagrou definitivamente o gênio Bolaños, e seu time de atores como os grandes comediantes deste século. Está no ar quase initerruptamente desde mil novecentos e qualquer coisinha, provando que um formato de humor simples e sem apelos é perfeitamente capaz de garantir bons índices de audiência mesmo depois de já ter sido reprisado um sem-número de vezes. Isso, ou Bolaños coou café na cueca da sorte do Silvio Santos, para explicar esse sucesso monumental!

Curiosamente Chaves não foi o primeiro personagem do quadro a ser criado. Antes dele vieram o Professor Girafales, como já falei, e Chiquinha, que tinha seu próprio esquete no Programa Chespirito, em 1970 – na época, ela ainda não usava óculos, não era pobre, e o pai dela era interpretado por Ruben Aguirre.


Os primeiros episódios de Chaves mostravam uma formação um pouco diferente da que conhecemos: Chiquinha morava com seu pai, agora Seu Madruga, no número 14; Quico e Dona Florinda ainda não tinham sido criados; Chaves ainda não fazia “pipipi” quando chorava; e o Seu Madruga ainda não devia 14 meses de aluguel – que, convenhamos, o Sr. Barriga nunca esteve lá muito interessado em receber.

Foi lá no comecinho da série que vimos as melhores participações especiais do programa, das quais destaco:

Malicha (traduzida como Malu em algumas dublagens), interpretada por Maria Luísa Alcalá (famosa em novelas mexicanas como “A Usurpadora” e “O Privilégio de Amar”), personagem criada como tapa-buraco, durante a licença maternidade de Maria Antonieta de Las Nieves, mas que só participou de três episódios. Na história, Malicha era afilhada de Seu Madruga, e era quase tão malandra quanto a própria Chiquinha, mas sem o mesmo sucesso.


Dona Edwiges, a “louca da escadaria”, interpretada por Janett Arceo, que apareceu somente em dois episódios, cobrindo uma ausência da Dona Clotilde. Assim como a Bruxa do 71, a Louca da Escadaria tinha uma forte admiração por Seu Madruga. Uma curiosidade é que a atriz tinha somente 18 anos quando interpretou a personagem – um excelente trabalho de maquiagem para envelhecê-la, convenhamos.


Um episódio de 1981, nunca exibido no Brasil, legendado, realizando o sonho da Bruxa do 71... Digo, da Dona Clotilde:

O Casamento do Século





Uma coisa que é impressionante em relação ao Programa Chespirito, é que apesar do sucesso estrondoso de alguns personagens no Brasil, os quadros gravados a partir de 1980 ou não agradaram tanto ao nosso público, ou não conseguiram conquistar espaço fixo na nossa TV, como é o caso de Chômpiras (ou Chaveco, como preferirem) e Pancada Bonaparte, e alguns esquetes sequer foram transmitidos no nosso país pela TV aberta, como é o caso de:




CIDADÃO GOMEZ


O personagem é o típico abelhudo que ninguém quer ter por perto. Com aparentemente nada mais para fazer além de ser intrometer na vida dos outros, Cidadão Gomez nos diverte com situações típicas levadas ao absurdo pelo molde mais simples do mundo: um grupo de poucos personagens com uma situação problemática para resolver, e um estranho ou um colega não muito chegado dando um monte de pitacos não solicitados para resolver a questão.

Um esquete bastante divertido. Uma pena que a emissora de Silvio Santos não o tenha colocado no ar.



Cantinflas No Céu Salva Um Casamento Na Terra





LA CHICHARRA (A BUZINA)


O quadro é protagonizado pelo jornalista Vicente Chambón (Bolaños), repórter curinga do jornal La Chicharra (o periódico que faz barulho), e como tal, cobre reportagens sobre os mais variados assuntos, e consequentemente, entra nas mais imprevisíveis confusões, sempre acompanhado da fotógrafa Cândida (Florinda Meza). O jornal é dirigido por Don Lino Tapia (Ruben Aguirre), e além dele a única personagem regular é a secretária Úrsula (Angelines Fernández). O restante do elenco tradicional de Chespirito não têm personagens fixos, como era comum nos esquetes de Chapolin, por exemplo.

Além de ser enviado para cobrir as sobras de reportagens (aquelas que Don Lino julga não valer a pena enviar um repórter de categoria averiguar), Chambón é a pessoa mais distraída do mundo, capaz até de calçar o sapato direito no pé esquerdo e vice-versa, sem sequer perceber o engano. É sua distração, aliás, que dá o tom da comédia do quadro.


Oficialmente, apenas um episódio dessa série foi dublado em português, e ele não se passa na redação do jornal, nem mostra Chambón cobrindo suas matérias alopradas, mas recentemente, um estúdio (acredito que independente) começou a dublar outros episódios e postá-los no YouTube.

Então, aqui, o episódio dublado oficialmente – único da série –, e o mais divertido dentre os que foram dublados para o YouTube:

O Mistério de Chambón




A Vítima Foi Um Famoso Pintor




Além dos quadros de sua autoria, Bolaños também fez, ao longo da história do programa, diversas homenagens a personagens consagrados da literatura e do cinema: Don Juan Tenório, Juleo e Romieta (digo... Romeu e Julieta), entre outros. Mas os tributos mais notáveis são aos mestres da comédia pastelão (gênero em que Bolaños e sua turma indubitavelmente se destacam) O Gordo e o Magro e Charles Chaplin.




Você Sabe Fazer Bolo?




O Jornal e o Poste





E é por causa de todos esses personagens maravilhosos, por seu talento inesgotável, que Chespirito é o grande gênio da comédia do século XX, pois suas séries nunca deixarão de ser atuais nem de ser divertidas.

Chespirito: esse humor é eterno!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
E já que chegou até aqui, deixe um comentário ♥
Se tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.